Mordida de Gato – Consequências e Primeiros Socorros!

Mordida de Gato – Consequências e Primeiros Socorros!

Mordida de gato: o que devo fazer quando for mordido? quais os sintomas comuns? quais as patologias transmissíveis? Saiba como se proteger corretamente

Os felinos costumam ser apegados e dóceis aos seus tutores, mas não é incomum que vez ou outra tomemos uma mordida de gato, seja por brincadeira ou para se defender. A verdade é que quando o felino possui uma vida 100% domiciliada e faz visitas frequentes ao médico veterinário com as vacinas e vermifugação em dia, essa ocorrência pode não ser algo preocupante. Entretanto, mordidas de animais merecem atenção, principalmente pelo fato de poderem ser portadores de alguma zoonose (doença transmitida ao homem por animais de estimação ou não).

Primeiros socorros: o que fazer após receber uma mordida de gato?

Ao levar uma mordida de gato lave bem a ferida com água e sabão, deixando a água escorrer durante alguns minutos sobre o ferimento. É importante retirar todo o sabão após a lavagem para não interferir na ação de medicamentos que podem ser receitados por profissionais especializados.

Após a lavagem, irrigue bem o ferimento com soro fisiológico (0,9%), imobilizando e elevando o membro afetado. Após os primeiros socorros, leve a vítima da mordida a um serviço de saúde para receber tratamento e orientações adequadas.

É provável que a vítima mordida pelo gato receba vacina ou soro antirrábico, uma vez que os felinos podem transmitir raiva e outras zoonoses.

Quais os sintomas comuns após ser mordido por um gato?

A mordida do gato pode inflamar e até infeccionar, consequentemente trazendo outros sintomas como dor no local, vermelhidão, dor de cabeça, febre, calafrios e outros. O ideal, como dito acima, é limpar bem o local e procurar por ajuda profissional.

Patologias transmissíveis através da mordida de gato

A raiva, embora não muito comum na maioria das regiões mais desenvolvidas do Brasil, ainda é uma preocupação real e pode ser uma das causas de ataques e mordeduras felinas. Por via de regra, sempre quando alguém é mordido por um animal desconhecido ou sem a vacina anti-rábica, a orientação é que ele faça um tratamento preventivo da doença. O protocolo varia e é estipulado por cada instituto especializado e em alguns hospitais de referência no tema.

Além da raiva, outra patologia que vem se alastrando pelo Brasil é a esporotricose. Trata-se de uma zoonose que pode ser transmitida por meio de arranhões e mordidas de um gato infectado. Ela é causada por um fungo e é de difícil tratamento.

Conhecida como “doença da mordida de gato”, a esporotricose é alastrada pela bactéria pasteurella multocida e pode causar fortes dores no local infectado. O tratamento requer a administração correta de antibióticos com o intuito de amenizar o quadro. Quando não tratada corretamente, a infecção pode se alastrar pelo corpo causando consequências graves.

Sempre conte com ajuda profissional para solucionar a situação!

Independentemente da situação em que ocorreu a mordida de gato, sempre é indicada a lavagem com água corrente e sabão neutro, procurando por um pronto socorro sempre que acontecer um episódio dessa natureza para que os procedimentos essenciais sejam tomados o mais rápido possível, evitando qualquer problema que possa vir a ocorrer.

É necessário também ressaltar que a mordida de gato é uma ocorrência, em certa medida, normal, mas que requer uma atenção especial para que o problema não tome proporções indesejáveis. Portanto, mantenha a calma e tenha foco na limpeza e condução até um posto de saúde profissional. Não siga receitas caseiras e não culpe o gato caso ele tenha alguma zoonose. Afinal, eles são tão vítimas de fungos e bactérias tanto quanto nós.

Agende uma Consulta