Receita de Comida Caseira para Cães – Alimentação Natural

Receita de Comida Caseira para Cães – Alimentação Natural

Receita de comida caseira para cães: conheça as principais dúvidas sobre alimentação natural e veja 3 receitas de fácil preparação e aproveitamento para os pets

Marque uma consulta com um de nossos nutricionistas encontrando a unidade Fisio Care mais próxima ou pelo botão do WhatsApp abaixo!

Hoje a Rede Fisio Care Pet separou algumas receitas de comida caseira para cães para quem prefere preparar a comida do seu pet em casa. É importante ressaltar que a alimentação natural canina é importante, porém, necessita do conhecimento de algumas informações essenciais para que seja realmente saudável e eficiente na busca por uma maior qualidade de vida aos pets.

Pensando nisso, elencamos algumas das dúvidas mais frequentes dos tutores na modificação da alimentação de seus cães, buscando, além do preparo de uma comida saborosa e benéfica aos cães, uma transição assertiva e de acordo com as recomendações médicas profissionais. Vejamos:

1 – Afinal, o que é a alimentação natural para cães?

Trata-se de uma dieta balanceada que busca adaptar o alimento para uma melhor digestão e aproveitamento do cão, buscando sempre um equilíbrio entre proteínas, gorduras de boa qualidade, carboidratos, fibras, vitaminas, minerais e água. O único tratamento que essa comida sofre é o cozimento e congelamento.

2 – Quais as vantagens?

A dieta canina equilibrada consegue proporcionar todos os nutrientes necessários para uma boa alimentação e rotina saudável dos pets, sendo benéfica para casos de:

  • Obesidade;
  • Diabetes;
  • Alergias de pele e alimentar;
  • Doença renal crônica;
  • Cardiopatias;
  • Pancreatite;
  • Câncer;
  • Gastrite;
  • Doenças do trato intestinal e urinário.

Além disso, os cães que se alimentam de comidas naturais tendem a ter uma melhor palatabilidade (capacidade de sentir mais sabor e textura), fezes mais firmes e com menos odor, menos gases, mais vitalidade e pelagem brilhante, maior resistência à doenças e melhor hidratação do organismo, consequentemente, menos necessidade de ingestão de água.

3 – Quais as principais diferenças entre a ração e a comida natural canina?

As rações industrializadas surgiram por volta da década de 70 para facilitar a vida dos tutores, formuladas matematicamente para obter equilíbrio nutricional. São compostas, em sua grande maioria, com um percentual maior de carboidratos (extrato etéreo) e menor de proteína e gorduras.

O problema é que muitas marcas, ao longo do tempo, se utilizam de soja e milho transgênicos (identificados com a inicial T nas embalagens), vísceras, conservantes como BHT e BHA (que podem ser cancerígenos) e outras partes não adequadas ao consumo humano.

Analisando de maneira histórica, a alimentação natural é muito mais antiga que as rações industrializadas, porém, atualmente esquecidas pela massificação da alimentação via ração. Buscam, em sua essência, o mínimo processamento com o máximo de aproveitamento de nutrientes, adaptando uma comida natural para uma melhor qualidade de vida aos pets.

4 – Ela funciona para todos os cães?

Quando estruturada individualmente conforme a análise das características de cada animal, serve para todos os cães, independentemente de raça, idade, porte ou problemas de saúde.

5 – Como a alimentação natural deve ser introduzida na vida dos pets?

É fundamental que você procure por um especialista (nutricionista veterinário) para te auxiliar na mudança da rotina alimentar. Os exames de rotina e complementares são importantíssimos para avaliar as necessidades nutricionais do seu amigo. Além disso, o profissional nutricionista será capaz de estipular assertivamente a quantidade de calorias que o cão deve ingerir diariamente. Marque uma consulta clicando aqui!

6 – Existe contraindicação para a alimentação natural canina?

Não há um consenso geral em relação à eficiência da mudança estrutural na dieta dos cães. Alguns profissionais tendem a acreditar que a alimentação natural não tem a capacidade de oferecer a quantidade de nutrientes suficientes para manter o animal saudável, necessitando a incorporação de suplementos minerais, probióticos e prebióticos para compensar tudo o que o pet precisa, favorecendo inclusive sua saúde intestinal.

De outro, os adeptos da alimentação natural buscam escapar da alimentação industrializada, que possuem componentes maléficos para a saúde do pet ao longo prazo.

É importante compreendermos que a alimentação natural deve sempre ser acompanhada por um profissional qualificado de nutrição veterinária, pois a adequação dessa nova rotina deve ser feita de forma individualizada, evitando alimentos maléficos e formas de preparo que não irão fornecer os nutrientes necessários para o equilíbrio alimentar do cão.

7 – Preparo e alimentos benéficos e maléficos para os cães

Vejamos algumas polêmicas em volta do preparo e dos alimentos saudáveis aos pets:

  • Servir cru ou cozido?

Alguns adeptos da alimentação natural canina acreditam e defendem que a carne crua é saudável e natural aos cães, visto que foram a base principal da alimentação de seus ancestrais. Porém, sabemos que os alimentos crus podem possuir bactérias que causam infecções alimentares perigosas. Por isso, a legislação brasileira proíbe o oferecimento de pratos de carne crua aos pets. É sempre recomendável o cozimento para evitar qualquer problema.

A carne bovina, suína, fígado, carne de frango, de cordeiro, peixes são ótimas opções para a composição de um cardápio natural aos cães. Claro, sempre cozidos com água e com o mínimo aceitável de sal. Nada de temperos;

  • O perigo dos ossos.

Nos acostumamos a assistir e gostar da imagem de cães roendo um osso, se tornando quase que um sinônimo de felicidade para os caninos. Porém, a verdade é que ao roer um osso (principalmente quando cozido junto com a carne), um pedaço ou até mesmo uma pequena lasca ingerida pode causar uma grave ferida no interior do pet, podendo até mesmo vir a óbito dependendo da gravidade e do local do ferimento. Por isso, busque sempre produtos de qualidade e que sejam 100% seguros para a saúde dos pets;

  • O tempero na alimentação dos cães.

Os cães, ao contrário de nós, não precisam de uma variedade de temperos para apreciar os sabores dos alimentos. Além disso, não é preciso diversificar constantemente as refeições, pois também não necessitam de alimentos diferentes para gostar da própria alimentação.

Os cães possuem um paladar apurado e não precisam, nem podem, encarar temperos comuns na alimentação humana. O alho talvez seja o único tempero (desde que utilizado em pequenas quantidades) não tão perigoso aos cães. Porém, temperos como a cebola possuem substâncias perigosas e não devem ser utilizadas no preparo, nem em pequenas quantidades. Para eles, o sabor natural dos alimentos é muito mais prazeroso (o sal também não é recomendado, mas pode ser utilizado em pequeníssima quantidade);

  • A importância dos legumes.

Os legumes são campeões na alimentação dos cães. além de agradarem o paladar, são ótimos no oferecimento de nutrientes importantes aos cães, auxiliando até na limpeza dos dentes. A grande maioria dos legumes e vegetais podem ser servidos aos pets, dentre os mais comuns estão:

  • Abóbora;
  • Abobrinha;
  • Aspargos;
  • Batata (doce, yacon e comum);
  • Berinjela;
  • Beterraba;
  • Brócolis;
  • Cará;
  • Cenoura;
  • Chuchu;
  • Couve-flor;
  • Couve manteiga;
  • Ervilha fresca (não em conserva);
  • Espinafre;
  • Inhame;
  • Jiló;
  • Mandioquinha;
  • Mandioca;
  • Manjericão;
  • Nabo;
  • Palmito;
  • Pimentão (de todas as cores);
  • Quiabo;
  • Rabanete;
  • Salsinha;
  • Tomate;
  • Vagem.

O importante é sempre retirar as sementes e folhas, lavando-os para evitar qualquer sujeira. Alguns tubérculos devem ser cozidos, como a batata comum que possui uma substância chamada solanina, que é tóxica aos cães. O ideal, nesse tipo de alimento, é que sejam preparados como um purê, estando crus ou cozidos, além de cortados em pedaços pequenos e, principalmente, sem sal;

  • Aproveitando as frutas.

As frutas também são ótimas opções adoradas pelos cães. Porém, apesar de parecerem inofensivas, algumas são bem tóxicas e devem ser evitadas, principalmente uva e abacate.

O organismo canino é diferente do humano e, algumas substâncias que fazem bem para a saúde humana, podem surtir o efeito contrário aos pets. Frutas cítricas como laranja e abacaxi também devem ser evitadas, nesse caso por serem agressivas ao estômago podendo acarretar em casos de gastrite, por exemplo.

As demais frutas devem sempre ser lavadas e todos os caroços ou sementes retirados. Isso para evitar possíveis engasgos ou obstrução no intestino do pet. No caso da maçã, por exemplo, sua semente é venenosa até para nós humanos.

As frutas devem também ser oferecidas em porções pequenas, em especial aquelas ricas em açúcares. Isso porque os cães não metabolizam muito rápido o açúcar e seu consumo excessivo pode deixá-los muito acima do peso.

Dentre as frutas mais benéficas aos cães estão a banana, maçã, pera, goiaba, manga, kiwi, mirtilo/blueberry e outras. Pergunte ao nutricionista do seu pet;

  • Quais alimentos manter distância?

O chocolate é um dos maiores venenos para os pets e não deve ser, de forma alguma, oferecido aos pets. Nem em pequenas quantidades!

Além disso, nozes e castanhas também não devem ser oferecidas aos pets, principalmente porque podem causar alergias, dores de barriga, vômitos e mal-estar em geral.

Outros mais óbvios, mas que necessitam um reforço, são a massa de pão (seu consumo pode causar envenenamento alcoólico, uma vez que sua fermentação ocorre no trato digestivo), e a própria bebida alcoólica (pode provocar danos ao nível do sistema nervoso).

Três receitas saudáveis e ótimas para os cães

1 – Guisado de carne

Ingredientes:

  • 1 kg de carne moída (frango ou peru também podem ser opções);
  • 1 batata inglesa (batata-doce picada, inhame e batata-yacon também podem ser opções);
  • 1 cenoura média ou abóbora (cortada em cubos);
  • 1 xícara de vagem;
  • água.

Modo de preparo:

  1. Refogue a carne em uma panela grande até que não fique mais com aspecto rosado. Não drene a gordura, pois é uma boa gordura para o pet. Se você optou por uma carne mais magra (como o frango ou peru), adicione algumas colheres de sopa de óleo de coco para adquirir um pouco mais de gordura.
  2. Adicione a batata, cenoura e vagem.
  3. Acrescente água o suficiente para cobrir os legumes.
  4. Deixe ferver, reduzindo o fogo e cozinhando por cerca de 20 minutos (ou até que os legumes estejam cozidos).
  5. Pode adicionar uma pitada de sal marinho para dar um pouco mais de sabor.
    Deixe esfriar antes de servir. Refrigere ou congele as porções que sobrarem.

Essa receita pode variar, buscando oferecer nutrientes diversificados como proposto nos ingrediente acima mencionados.

2 – Arroz festeiro:

Ingredientes:

  • 1 ½ xícara de arroz integral;
  • 1 colher de sopa de azeite;
  • 2 kg de peito de peru ou frango moído;
  • 3 xícaras de espinafre picado;
  • 2 cenouras picadas;
  • 1 abobrinha triturada;
  • ½ xícara de ervilha (enlatada ou congelada).

Modo de preparo:

  1. Em uma panela grande, coloque 3 xícaras de água, cozinhe o arroz de acordo com as instruções da embalagem e deixe de lado.
    Aqueça o azeite em uma panela grande em fogo médio. Adicione o peru ou frango moído e cozinhe até dourar (cerca de 3-5 minutos).
  2. Certifique-se de desfazer bem a carne enquanto cozinha.
  3. Junte o espinafre, cenoura, abobrinha, ervilha e o arroz integral até que o espinafre murche e a mistura seja aquecida por cerca de 3 a 5 minutos.
  4. Deixe esfriar completamente.

3 – Biscoito de abóbora canino:

Essa receita é ótima para “ajustar” o sistema digestivo do seu pet.

Ingredientes:

  • ⅓ xícara de água fria filtrada;
  • ⅔ xícara de purê de abóbora (de preferência uma abóbora de pescoço ou amarela, pois são menos aguadas);
  • 2 xícaras de farinha integral de arroz integral;
  • 1 ovo grande (não coloque caso seu cão seja alérgico);
  • 2 ½ colheres de sopa de óleo de linhaça ou azeite.

Modo de preparo:

  1. Pré-aqueça o forno em 180º C.
  2. Use papel manteiga na assadeira para evitar que os biscoitos grudem.
  3. Misture o ovo lentamente batido e abóbora em uma recipiente separado até que fique homogêneo (caso não utilize o ovo, alise apenas o purê de abóbora e prossiga até a próxima etapa).
  4. Em uma tigela grande, misture o óleo de semente de linhaça e a farinha de arroz integral.
  5. Com agitação constante, adicione a mistura de abóbora à mistura de arroz e adicione lentamente a água.
  6. Certifique-se de deixar um pouco de arroz para ser usado como uma espécie de cobertura.
  7. Misture bem os ingredientes.
  8. Com o auxílio de duas colheres pequenas coloque pequenas porções sobre o papel manteiga.
  9. Coloque no forno por 35 a 40 minutos, ou até que o topo esteja completamente seco.
  10. Deixe esfriar e guarde em um recipiente seco de plástico ou vidro até que esteja pronto para ser servido.

Essa receita de comida caseira para cães rende aproximadamente 24 bolachas. Quer tirar mais dúvidas sobre a alimentação natural canina? Preencha o formulário de agendamento abaixo ou ligue na unidade Fisio Care mais próxima de você e marque uma consulta com um de nossos nutricionistas.

Agende uma Consulta

Site Fisio Care Pet

Estamos contentes que tenha se inscrito em nossa lista.
Por favor, atualize os outros detalhes.
Você receberá um e-mail para confirmar sua inscrição, apenas para assegurarmos que seu cadastro está correto.