Diagnóstico de Displasia Coxofemoral em Cães

Diagnóstico de Displasia Coxofemoral em Cães

Diagnóstico da displasia coxofemoral em cães: saiba quais os passos, exames clínicos e laboratoriais importantes para o diagnóstico conclusivo da displasia coxofemoral canina. Saiba como a fisioterapia veterinária pode ser importante na recuperação

Procura uma clínica profissional para o diagnóstico da displasia coxofemoral em cães? Encontre a unidade Fisio Care mais próxima e marque uma consulta agora mesmo

A displasia coxofemoral canina é uma das doenças que mais acometem os cães de porte grande por ser hereditária, e também desenvolvida por fatores comuns na vida dos pets como a obesidade, alterações posturais e ambientes com pisos lisos. O rápido diagnóstico da displasia coxofemoral em cães, nesses termos, é essencial para o início de um tratamento de combate ao avanço da doença.

Os primeiros sinais podem ser percebidos por você

A primeira detecção de que há um problema pode ser feito por você, os sintomas da displasia coxofemoral canina normalmente são claros, ficando nítido observar algumas mudanças de comportamento como: dor no quadril, manqueira ou claudicação (andar manco), diminuição de atividades físicas (deixam de saltar, correr, subir ou descer camas, sofás e escadas), atrofia da musculatura da coxa, aumento da musculatura dos ombros, dificuldade de levantar e outras.

Como é feito o diagnóstico profissional da displasia coxofemoral em cães?

A primeira avaliação médica, comumente, é feita na análise das articulações dos pets, verificando se existem indícios concretos de frouxidão nas articulações dos quadris. Essa primeira análise é fundamental, já que tal frouxidão nas articulações dos quadris, seja em filhotes ou cães adultos, são fortes indicativos de que o animal apresente algum nível de displasia coxofemoral.

No caso de cães idosos, é provável que o profissional veterinário irá analisar fatores como a perda de massa muscular nos músculos da coxa e ampliação dos músculos do ombro, devido à compensação muscular.

De qualquer forma, o principal teste de avaliação é a análise de frouxidão através do exame clínico de ortolani. Após os primeiros exames clínicos, caberá ao profissional decidir se será necessária a confirmação através de uma radiografia coxofemoral.

É importante ressaltarmos que, segundo o Colégio Brasileiro de Radiologia Veterinária, o diagnóstico de displasia coxofemoral animal conclusivo só pode ser feito após 24 meses de vida do pet, pois essa é a idade em que cessa o crescimento do cão., mas existe um teste chamado PennHip que pode excluir a chance de um cõ ser displásico ainda com 4 meses de vida.

A radiografia coxofemoral, na maioria dos casos, é feita com o cachorro em jejum, imóvel e esticado via anestesia. A sedação é necessária para que o diagnóstico seja o mais conclusivo possível, principalmente pelo fato de existirem pets que possuem um grau grave de displasia e não apresentarem nenhum sintoma clássico da doença, assim como cães com displasia bem discreta que apresentam sintomas mais severos.

Quanto mais cedo for feito o diagnóstico da displasia coxofemoral canina, melhor as opções de tratamento indicadas. Os diagnósticos tardios limitam as chances do emprego de um programa de reabilitação que iniba a evolução da degeneração.

O tratamento adequado para a displasia canina

A fisioterapia para cães com displasia coxofemoral é um dos tratamentos não invasivos mais eficazes, tendo como principais objetivos a redução da dor, diminuição da progressão da doença articular e o planejamento correto para a manutenção ou restauração da função articular normal do pet, levando sempre em consideração o grau de severidade da doença, idades e outras complicações clínicas.

O retorno das funções articulares está diretamente ligada à manutenção ou ganho de força muscular dos membros pélvicos. A fisioterapia veterinária para cães com displasia, nesses termos, é essencial e se dará através de exercícios controlados de baixo impacto que não causem mais estresse às articulações. Os métodos mais positivos passam por natação, caminhadas controladas e a hidroterapia (uso de esteiras aquáticas).

A Rede Fisio Care Pet investe forte na capacitação de seus profissionais e na aquisição de equipamentos modernos que forneçam um ambiente perfeito para uma recuperação gradual e saudável, sempre respeitando cada caso.

São mais de 20 unidades espalhadas pelo Brasil, oferecendo os melhores programas de reabilitação animal através das técnicas de fisioterapia veterinária. Quer um diagnóstico da displasia coxofemoral em cães profissional? Encontre a unidade Fisio Care mais próxima de você ou preencha o formulário de agendamento abaixo e marque uma consulta agora mesmo.

Agende uma Consulta